2012/04/26

História #25
Autor: João e Luís (INDEX ebooks)


O HORTO PRODIGIOSO

Chamámos-lhe Abbo porque foi no 6º dia do mês de outubro que o encontrámos na roda dos enjeitados, olhos muito azuis, cabelo muito louro, um menino jesus, como lhe chamou o abade. O horto do mosteiro era o seu poiso predileto e, naturalmente, tomei-o por aprendiz. A sua juventude, alegria e beleza enfeitiçavam os frades, que o adoravam. As plantas a seu cuidado davam mais flores e as árvores que regava, fruta mais sumarenta. Lembro-me bem como tudo começou! O sino ainda não tinha tocado para as Vésperas, quando Abbo me apareceu, esbaforido. Estava no pomar do horto, sentiu uma mão acariciar-lhe os cabelos, voltou-se, não viu ninguém, chamou, ninguém respondeu, assustado, correu a procurar-me. “Foi o vento”, acalmei-o. Mas depois de tornar, uma vez e outra, inquieto, procurei o abade que decretou: “Abbo é tão belo e tão bom que um anjo desceu do céu para lhe tocar”. Tranquilizado pelas palavras do abade, em dias solarengos, quentes, Abbo, já rapaz, banhava-se no riacho que atravessava o fundo do horto e, húmido, fresco, estendia-se na relva para se entregar às carícias do seu anjo. As mãos invisíveis desciam-lhe agora pelo corpo, procuravam-lhe recantos escondidos e descobriam-lhe prazeres desconhecidos. Na noite de calor abafado, tardio, em que fez 17, Abbo saiu para o horto em busca duma brisa. Nessa noite as carícias do anjo foram mais insistentes, os seus gemidos mais pungentes, o seu abraço mais apertado. Abbo, surpreendido, sentiu-lhe o arfar arquejante no pescoço, certas durezas pressionando a sua carne e, ofegante de desejo, acedeu ao abraço sensual. O seu grito de êxtase foi abafado pelo casquinar diabólico que então ecoou por todos os recantos do mosteiro. Quando os frades, atemorizados, saíram a procurá-lo, não encontraram mais que erva queimada no lugar onde repousara o corpo de Abbo e um fedor infernal a enxofre pairando, insuportável.

10 comentários:

  1. Penso que está encontrado o vencedor do concurso. Escrita sublime.

    ResponderEliminar
  2. o demo... levou a sua avante. :)

    ResponderEliminar
  3. A melhor das três histórias enviadas por ti.

    ResponderEliminar
  4. Atenção à maiúscula em nomes próprios (em boa justiça, só notei isso uma vez).
    Bom vocabulário, boa fluidez e excelente escolha de temática. Gostei muito do final, contraditório a tudo o que as personagens achavam (embora tenha ficado com pena do pobre Abbo)

    ResponderEliminar
  5. Obrigado a todos pela simpatia!
    @Inês: ainda não temos o novo acordo ortográfico automatizado; falta maiúscula em "jesus", é?

    ResponderEliminar
  6. Gostei imenso do carácter fantástico da história.
    E mais ainda me agradou o jeito de as palavras desvendarem o enredo. Cumprimentos!

    ResponderEliminar
  7. Provavelmente a melhor da 3. Gostei muito.

    ResponderEliminar
  8. Vim ler cada uma das histórias. Sendo histórias diferentes, todas me deram oportunidade de pensar e, por razões diferentes de todas gostei.
    Aqui fica o meu abraço.

    ResponderEliminar