2012/12/12


História #03
Autor: Pinguim (Whynotnow)

QUASE UM CONTO DE NATAL

Recordo um Natal, já algo distante em que os meus Pais foram passar a quadra com uma irmã minha e respectiva família, ao Brasil. Fiquei só, os meus irmãos distribuídos por outras famílias e eu aqui por Lisboa…

Sim, o Natal é a festa da Família, quando ela existe ou quando ela está presente; e quando tal não acontece?

Nesse Natal estive tentado a ir passar a noite da Consoada com um grupo de pessoas, algumas delas, meus amigos e outros conhecidos, que, por falta da família e por falta dos seus companheiros que tinham ido passar o Natal às suas terras, ficavam sós e assim, todos os anos se reuniam numa Consoada para eles, ali na zona da Charneca da Caparica.
Entre eles um bem conhecido transformista, talvez  o melhor de todos que já houve em Portugal e que já não está entre nós.

Não fui, não porque fosse mal recebido, antes pelo contrário, mas porque sabia que embora passasse aquela noite acompanhado, em família também, embora de outro género, estaria triste por vários motivos e poderia estragar o convívio. Mas imaginei como seriam essas Consoadas das pessoas que não sendo jovens, apenas tinham os seus afectos com as pessoas que amavam, mas que não estavam presentes, e tinham os afectos deles com eles próprios, decerto trocariam presentes, teriam uma ceia com bacalhau e iguarias próprias da época e passariam umas horas acompanhados. E depois, regressariam a suas casas com a sua solidão.

Esta é uma realidade que atinge hoje muitas pessoas, e não quero misturar o Natal dos sem abrigo, que é outra realidade bem triste, mas diferente.
Refiro-me àqueles homossexuais que passam o Natal sós e talvez sintam nessa noite, mais do que em qualquer outra ocasião, a falta de uma Família.

8 comentários:

  1. Obrigado por teres aceite esta participação muito especial; por essa razão lhe chamei um "quase conto".
    Mas assim não faltei à (tua) chamada...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De nada João. Sabes que é um prazer poder contar contigo. Além do mais, esta tua histórias tem tudo para poder estar neste pixel e, estou certo, vai ser um dos contributos mais importantes.
      Agraço

      Eliminar
  2. obrigada, João. tinha ficado triste pelo anúncio de não ires participar este ano, mas ainda bem que pensaste melhor.
    o tema que abordas é muito sensível. a solidão é terrível, particularmente nesta altura (a mim tb me afecta a altura da páscoa, por serem épocas ligadas à família, tradicionalmente, e vejo isso desaparecer aos poucos.)
    bjs.

    ResponderEliminar
  3. Ora afinal, aí está! Uma história candidata à vitória! :D

    ResponderEliminar
  4. Também gostei. A solidão nestas datas parece ser ainda mais difícil de suportar.

    ResponderEliminar
  5. E porque a solidão mata :(

    ResponderEliminar
  6. A solidão custa sempre, seja no Natal ou qualquer outra época do ano. Até porque lá diz o ditado, "o Natal é quando o Homem quer" - mas sermos renegados pela família "de sangue" por causa da nossa sexualidade...é uma dor deveras indescrítivel, digo eu...

    ResponderEliminar