2012/12/26


História #27
Autor: Sad eyes (Good friends are hard to find)

PEDRO

O Pedro tinha 8 anos e vivia num Lar de Acolhimento com outros meninos com vidas como a sua. Aos 4 anos o Tribunal retirou-o da mãe, porque ela o abandonava em casa. Mas dizem que é preferível uma má mãe do que não tê-la, e o Pedro só conhecia aquela. A cada promessa de uma visita ele ficava eufórico. Quando ela vinha, chegava de BMW, trazia-lhe presentes, por uns dias ele voltava ao seu quarto, e depois… era largado ali de novo. Aquele tinha sido mais um ano difícil. O Pedro fugia durante a noite; a polícia encontrava-o; ele passava mais umas horas na esquadra e regressava ao Lar. Nesse mesmo ano descobriu-se que o monitor que dormia no Lar, e que tinha crescido naquela instituição, andava a convidar meninos para o seu quarto... Mais uma marca que ficava nas suas curtas vidas.
Eu tinha pouco mais de 20 anos. Por essa altura, a minha família, nas épocas festivas, acolhia dois irmãos que moravam naquele Lar, e que não tinham família. Por essa razão eu era convidado daquela festa de Natal. E era uma festa bonita, com muitas crianças aparentemente felizes. O Pedro recebeu uma grande pista de carros, mas nem abriu a caixa. Aquele menino, tantas vezes endiabrado, parecia um anjinho sentado no sofá, triste como poucas vezes. A tristeza dele deixou-me um aperto no coração. Sentei-me junto dele e tentei falar dos presentes para animá-lo. Ingenuidade minha. Ele estava mesmo triste e os presentes não tinham importância. Mais uma vez havia promessas de presença da mãe na festa e de uns dias com ela. E mais uma vez, como tantas outras, ela não tinha vindo.
Passaram-se 15 anos e nunca mais soube do Pedro, mas lembro-me sempre dele e da lição que aprendi naquele Natal.

24 comentários:

  1. God this is so sad...you melted my heart away. Had to wipe a tear off my eye. loved it! amazingly written!.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade Hotei, é muito triste, por isso mesmo nunca mais me esqueci do Pedro nem daquela fsta de Natal.
      Abc

      Eliminar
  2. Um tema triste, mas infelizmente actual e que em boa hora trouxeste a este teu concurso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Passou-se há 15 anos e infelizmente continua atual.
      Abraço

      Eliminar
  3. sim, muito actual. ainda bem que o trouxeste, apesar de ser triste. mais uma visão diferente do natal.
    bjs.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É uma visão diferente e triste da vida. Deveríamos ir todos dar um pouco de nós a esta crianças.
      bjs

      Eliminar
  4. História bonita e triste. Principalmente porque conhecemos sempre alguém que esteve/está nessa situação. E eu conheço um Pedro, de 8 anos, que foi retirado o mês passado à mãe, e com quem não passou o Natal. Não vi os serviços sociais a retira-lo... mas contaram-me que chorou muito, gritou, esperneou e tudo porque como tu escreveste "dizem que é preferível uma má mãe do que não tê-la".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bonita no sentido que revela que "terceiros" se preocuparam com o Pedro e que não se mostraram indiferentes. Bonita no sentido que ainda hoje se recordam do Pedro, porque não ficou esquecido. Não é bonito o sofrimento alheio. Porque isso sim é triste.

      Eliminar
    2. Tudo isso é verdade e há muita gente que se preocupa com estes meninos.
      Até foram muitos os Natais que passei com estas crianças em minha casa, e isso foi muito mais importante para eles do que os presentes que receberam. Nem imaginas a quantidades de histórias de lágrima no olho que eu tenho para contar desses Natais.
      Abraço.

      Eliminar
  5. É uma realidade muito tocante, tornando-se impossível não ficarmos sensibilizados... Infelizmente, não são raras as situações em que vários meninos como o Pedro se vêem sem família, abandonados à sua sorte e ainda vítimas das maiores atrocidades, frequentemente perpetradas por quem tinha o dever de protegê-los. :|

    Obrigado, sad!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tocaste num ponto essencial. O Pedro e outros meninos que viviam com ele estiveram à beira de ser abusados por alguém que devia zelar por eles de noite e que, por ironia, tinha vivido naquela casa tal como eles. Parece que é um ciclo terrível... Isto é dramático, porque estas histórias enchem telejornais durante anos, chegam aos tribunais, mas não se faz justiça...
      abc

      Eliminar
  6. Infelizmente esta é uma realidade que também conheço bem porque durante alguns anos trabalhei na reinserção de menores. São vidas muito duras e tristes, com raros finais felizes.
    Uma das histórias mais tocantes que até agora apareceram no Pixel. Parabéns Sad!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Então sabes bem do que falo.
      Com estes meninos aprendo que precisamos de muito pouco para ser felizes: uma família e amor. Estas duas coisas farão qualquer criança feliz
      Eu durante alguns anos acolhi crianças em casa, durante alguns fds e épocas festivas. Foi das coisas mais emocionantes que fiz até hoje. É incrível como meninos como o Pedro, que são verdadeiros diabinhos (e que por vezes ninguém quer levar para casa), em poucos dias se transformam num anjos.
      Abc

      Eliminar
  7. Em todas as turmas que têm cruzado o meu caminho, infelizmente, sempre tenho uma criança com essa história. Como seria bom que o Ano Novo trouxesse outras histórias bem mais felizes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem verdade. Estas histórias acontecem mais do que imaginamos. Eu sou muito sensível a estas questões e enche-me de alegria poder fazer crianças felizes.
      bjs

      Eliminar
  8. Sem palavras para escrever...

    Continuação de Boas Festas

    Abraço amigo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem imaginas como esta histórias me deixou tantas vezes sem palavras...
      abc

      Eliminar
  9. Tou muito sensibilizado neste momento... assumindo que não li sequer metade das histórias esta até agora é a que mais me tocou, imagino que conheças parte das razões.

    Abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu não ia participar neste Pixel, mas a tua história "obrigou-me" a contar esta. Claro que, pelo que li aqui e no teu blogue, entendo as razões porque esta história te toca especialmente.
      Felizmente não passei por isto na minha infância, mas vivi de perto muitas histórias de crianças como o Pedro. A história dele, e aquela festa de Natal, marcaram a minha vida.
      E aquilo que desejo a todas estas crianças (incluindo-te) é que consigam ser felizes e que encontrem muito amor durante a vida :)
      Abraço.

      Eliminar
  10. Esta história mexeu muito comigo, sabes bem porquê...

    Cada um de nós pode fazer a diferença, pelo futuro destas crianças! Basta tão só um pouco de generosidade e de abrir mão do nosso "precioso tempo"...

    Abraço :3

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É bem verdade. Basta darmos um pouco do nosso tempo para podermos fazer a diferença na vida de uma ou várias crianças. E isso pode valer muito mais do que um contributo monetário.
      Abraço.

      Eliminar
  11. Palavras para quê, a mensagem que passaste é muito bonita.


    No Natal, que é considerada a época da reunião e do conforto familiar, deve-lhes custar mais. No entanto, importa também não esquecê-las durante o resto do ano.
    Não sou tão conhecedor desta realidade mas já ofereço o meu tempo a outro tipo de população.
    Mais que escrever que é bonito o teu acto, fiquei com vontade de saber mais. E fazer mais.

    Abraço!

    ResponderEliminar