2012/12/17


História #15
Autora: Margarida (mas tu és tudo e tivesse eu casa tu passarias à minha porta)

VIRGEM MARIA

- Se não páras com isso, ainda levas mais. – a mãe disse, à mesa do jantar.
A criança fungou. Nas lágrimas deslizava, irremediavelmente, o sonho perdido, que se derramava a seus pés.
- Sinceramente, que ideia a tua! – a mãe prosseguiu – Que haveriam de pensar de nós?
O pai disfarçou o olhar e baixou a cabeça. Mastigou devagar a batata cozida e engoliu a  vergonha.
A criança mordeu o lábio inferior, tentando reter os soluços.
- Eu só queria… - a tentativa de verbalizar o seu desejo resultou numa bofetada que lhe rachou o lábio e a deitou da cadeira abaixo.
Olhou-a, de olhos esbugalhados, com sangue e lágrimas que se enleavam na língua. Notou o sabor acre e salgado, como das outras vezes, mas agora doía-lhe mais. Sentiu um abandono tão grande, como se o ardor dos dedos cruéis da mãe fosse um prenúncio dos dias difíceis por que teria que passar.
- Basta! – o pai levantou-se. Fora a gota de água.
- Se apoiares essa ideia maluca, eu vou-me embora – ela ameaçou.
Ele ajoelhou-se, abraçou a criança e limpou-lhe o sangue com as pontas dos dedos.
- Serás a mais bonita virgem maria da peça da escola – garantiu-lhe.
Ouviram a cadeira a arrastar, a porta a bater, os dias cinzentos a afastarem-se.
O rapazinho ergueu os olhos marejados para o pai e perguntou timidamente. 
- Prometes?
Envergando um manto azul celeste e contemplando um menino jesus deitado nas palhinhas, todo ele resplandecia, qual estrela de belém.

22 comentários:

  1. What a surprise!...
    E o prémio revelação vai para...

    ResponderEliminar
  2. Para mim já não é revelação, mas sim confirmação.

    ResponderEliminar
  3. e com esta abarquei as pontas do LGBT :D
    deixo-vos o meio. fica bem entregue.

    ResponderEliminar
  4. Lindíssimo Margarida! Andas mesmo inspirada =)

    ResponderEliminar
  5. qd a fiz? sábado ao fim da manhã, julgo, depois dei uns retoques. 250 palavras com o título, estou presa a este formato, help...
    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. revelação? não entendi, essa juro que não percebo. revelação seria a história do pixel do abraço, Mark. entretanto, já escrevi alguns contos, como sabes, e todos vocês gostaram. :)
      bjs.

      Eliminar
    2. Eu concordo, mereces o prémio revelação dos contos (destes e dos teus). No pixel II foi outro registo.
      É lindo sem dúvida.
      bjs

      Eliminar
    3. não pensem que não estou agradecida pelos vossos elogios, porque estou, mas o maior elogio seria que as histórias tivessem boa pontuação. agora revelação... ora, :)

      Eliminar
    4. Concordo :)
      Ainda bem que eu não voto, porque seria difícil :p

      Eliminar
  6. Ambos são maravilhosos, este e o primeiro. Gostei imenso!

    Realmente, mereces o prémio revelação, ao jeito do que disse o Alex. ^^

    bjo.

    ResponderEliminar
  7. Estás a ver como valeu a pena! :D

    ResponderEliminar
  8. Como já tinha concluído no blogue da autora, um grande texto!

    ResponderEliminar
  9. Gostei imenso, está espetacular

    ResponderEliminar
  10. Temos escritora! ^^
    E que gesto tão bonito o daquele pai! :3
    Quando for grande, quero ser como ele! ;)

    ResponderEliminar
  11. Os dois textos são uma delícia, mas confesso que fiquei mais encantado com este.


    Que sensibilidade, Margarida! :)

    ResponderEliminar
  12. Lindo, muito sensível! Parabéns, Margarida! Seu conto me fez lembrar do filme "Ma vie en rose"!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. obrigada. sim, de entre os dois contos, este é o meu preferido.

      Eliminar
  13. Top5 - A minha história preferida. Que ideia mais maravilhosa Margarida. Obrigado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. bem, obrigada!
      o teu zacarias, aproveitando a deixa, foi o meu escolhido.

      Eliminar
  14. wow! Não estava nada à espera, que lindo!

    ResponderEliminar